Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Estudantes da Engenharia de Computação visitaram supercomputador
Início do conteúdo da página

Estudantes da Engenharia de Computação visitaram supercomputador

Publicado: Segunda, 06 de Janeiro de 2020, 07h56 | Última atualização em Segunda, 06 de Janeiro de 2020, 07h59 | Acessos: 572
No último dia 9 de dezembro, um grupo de estudantes do curso de bacharelado em Engenharia de Computação realizou visita técnica ao Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e ao supercomputador Santos Dumont, em Petrópolis, RJ. A visita técnica foi viabilizada pelo programa de Ações Universais do IFSP e promovida de forma conjunta pela coordenação do Curso e pela coordenação do Sociopedagógico.
 
O supercomputador Santos Dumont teve sua capacidade de processamento ampliada, recentemente, para 5,1 Petaflops (5,1 milhões de bilhões de operações matemáticas de ponto flutuante por segundo). Deste modo, tornou-se a maior plataforma computacional instalada na América Latina disponível para pesquisas em Ciência e Tecnologia.
 
O grupo foi recepcionado pelo pesquisador Antônio Tadeu A. Gomes. Em sua palestra, o pesquisador descreveu o histórico do LNCC, enumerou as principais características do supercomputador e dos projetos que utilizam daquela infraestutura computacional, e comentou sobre o programa de pós-graduação do LNCC. Logo após, o grupo de estudantes foi recepcionado por mestrandos do grupo de pesquisa DEXL. Alguns dos projetos de pesquisa conduzidos foram apresentados pelos mestrandos aos estudantes de Engenharia de Computação. Por fim, após o almoço, a turma pôde visitar as dependências do supercomputador e conhecê-lo de perto. Ao longo dessas atividades, foram esclarecidas inúmeras dúvidas e curiosidades perguntadas pelo grupo.
 
Para a aluna Larissa Tavares , ingressante em 2018, "a viagem realizada até Petrópolis para uma visita ao LNCC foi uma experiência nova e de muito interesse para estudantes de computação, permitindo conhecerem uma outra face do Brasil, a face do desenvolvimento científico". Segundo ela, poucas pessoas conhecem a relevância da pesquisa produzida no país. Dentre os benefícios da realização da viagem, Larissa citou: "possibilitou, acima de tudo, que os participantes pudessem sair de lá com uma nova perspectiva sobre o futuro, principalmente quem pretende seguir carreira acadêmica".
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
registrado em:
Fim do conteúdo da página